A Escola Global – Empreender na Globalização

A Escola Global – Empreender na Globalização

A Globalização está na ordem do dia e faz parte do nosso léxico há tanto tempo, que já nem nos lembramos que começámos a falar nela no final do século passado, o que, comparado com a metodologia encontrada por Fernand Braudel para medir a História, na sua obra “História das Civilizações”[1], não foi assim há tanto tempo. Aliás, de acordo com os Ciclos da História de Braudel, não foi há tempo nenhum.
Entendemos, por isso, que todo este processo de empreender na globalização rumo a uma Escola Global nos obrigar a Inovar de forma reiterada e sistemática. No entanto, há algo fulcral neste nexo de causalidade que liga a Inovação à Globalização, que é a perceção da Diversidade[2] por parte de toda a Comunidade Educativa, bem como pelos stakeholders[3], como um dos eixos principais na existência duma Escola Global.

A Globalização é um processo que envolve todos os países e os respetivos cidadãos. A Escola Global é, igualmente, um processo que deverá envolver todos os que participam na vida da Academia[4] e, para isso, é também essencial que a Internacionalização[5] esteja presente nas aprendizagens dos alunos e seja parte integrante do respetivo Projeto Educativo. Mas o professor é o catalisador de tudo isto e, para isso, tem que estar apto para a Mudança, quer nas metodologias, quer no estabelecimento de parcerias com colegas de outros países[6].

A Escola Global é sinónimo de Criação, Inovação, Cooperação Transnacional, Diversidade e Mudança.

Para que o processo da globalização continue a ser um sucesso, é fundamental que a Escola Global seja a regra em todas as Escolas e em todas as Comunidades Educativas.

Não podemos ter a Economia, os Sistemas Financeiros todos interligados[7] e não termos uma Escola Global.

Uma Sociedade Desenvolvida, Solidária e Justa precisa duma Escola Global!

Empreender na Globalização rumo a uma Escola Global é uma das chaves do sucesso da Agenda 2030[8], que nos engaja a todos enquanto Membros das Nações Unidas!

[1] “Is it possible somehow to convey simultaneously both that conspicuous history which holds our attention by its continual and dramatic changes – and that other, submerged history, almost silent and always discreet, virtually unsuspected either by its observers or its participants, which is little touched by the obstinate erosion of time?”
[2] A este propósito, ler o nosso artigo “Empreender na diversidade”, in: http://linktoleaders.com/empreender-na-diversidade
[3] A person with an interest or concern in something, especially a business. As modifier Denoting a type of organization or system in which all the members or participants are seen as having an interest in its success. In: https://en.oxforddictionaries.com/definition/stakeholder
[4] Naturalmente que esta participação envolve muito mais do que alunos, professores, colaboradores técnicos e auxiliares.
[5] O ERASMUS + é o grande exemplo do esforço feito pelas Autoridades Comunitárias ao longo dos anos para a efetivação da cooperação transnacional entre os cidadãos dos Estados Membros.
[6] Esta Cooperação irá naturalmente aumentar a motivação dos professores e potenciar a criatividade, pois esta exposição a outras realidades irá mudar a forma como se olha para a relevância do papel do professor, quer na sala de aula, quer na Escola, quer a nível transnacional.
[7] Ainda nesta sexta-feira a agência de notação financeira Standard and Poor’s (S&P) retirou Portugal do lixo, revendo em alta o rating atribuído à dívida soberana portuguesa de BB+ para BBB-. In: https://www.standardandpoors.com/en_US/web/guest/home
[8] http://www.un.org/sustainabledevelopment/development-agenda/

 

Artigo publicado a 21/09/2017 no Link to Leaders

Berkeley College visita ISG

Berkeley College visita ISG

No âmbito da politica de cooperação internacional, o Grupo ENSINUS, recebeu a Professora Cindyy Marchese, Senior Vice President International do Berkeley College, parceira do ISG | Instituto Superior de Gestão.

Neste encontro o acolhimento foi presidido pela Senhora Administradora Prof. Dra. Teresa Damásio, estando, igualmente, presentes, o Professor Doutor Miguel Varela, Diretor do ISG, o Dr. João Polido, European and International Student Coordinator e a Dra. Elisabete Lourenço, Diretora do Global Office do ISG.

O dia terminou com uma visita institucional ao ISG, e ECL – Escola de Comércio de Lisboa, estando prevista para amanhã a visita ao INETE.

O ISG na Human|Recursos Humanos e Gestão

O ISG na Human|Recursos Humanos e Gestão

As candidaturas para o mestrado «Gestão do Potencial Humano», do ISG – Instituto Superior de Gestão, para o ano letivo 2017/18, encontram-se ainda a decorrer, estando o início previsto no final do corrente mês de setembro.
O objetivo do mestrado é proporcionar aos participantes a capacidade de desenvolver uma visão global e integrada da gestão do capital humano e dotá-los de um conjunto de ferramentas e técnicas fundamentais para a gestão e a avaliação eficaz das pessoas nas organizações.”

Leia mais

Abertura de Pós-Graduações, MBA’s e Mestrados

Abertura de Pós-Graduações, MBA’s e Mestrados

Consulte as datas de início previstas para os cursos de 2º ciclo.

 

Mestrados  Abertura
– Estratégia de Investimento e Internacionalização 9 de Outubro
– Gestão do Potencial Humano
– Gestão Financeira
– Marketing
Pós-Graduações/ MBA
Logística e Gestão de Operações 9 de Outubro
Gestão de Projectos
Gestão
Finanças 16 de Outubro
Gestão Fiscal
Gestão de Recursos Humanos
Gestão Hospitalar
Gestão Escolar
Marketing
Gestão de Sistemas de Informação
Garantias Administrativas e Tributárias dos Contribuintes
Gestão Jurídica Autárquica
Governo das Sociedades Comerciais Aspectos Legais e Perspectivas
CAGEP – Curso avançado de Gestão Pública
FORGEP – Programa de formação em gestão pública
MBA em Ciências Empresariais numa Perspectiva Jurídica
MBA em Empreendedorismo Empresarial Jurídico
MBA Hispano-Luso
Master em Gestão Desportiva/ Sport Management Academy 23 de Outubro
Empreender no Empoderamento

Empreender no Empoderamento

Empoderar para reforçar as competências pessoais e sociais trará mais valias à Sociedade Contemporânea?

Numa altura em que o debate se centra no papel que devemos dar às hard skills[i] e às soft skills[ii], é importante que percebamos que Empreender no Empoderamento[iii] é determinante para o Futuro na Nossa Casa Comum – o Planeta Terra.

A importância do conceito empower[iv] surgiu na língua inglesa há várias décadas, em estreita ligação com os Direitos das Mulheres. Hoje o conceito generalizou-se e, embora ainda esteja estreitamente relacionado com a luta pela Igualdade de Género, compreende igualmente o reforço das competências relacionadas com a gestão do poder individual no âmbito grupal.

A aplicação da palavra empoderamento em Portugal[v] surgiu no início do século XXI e começou por ser considerada um estrangeirismo. Foi adaptada da palavra inglesa e do conceito anglo-saxónico e hoje é usada na linguagem corrente.

Empreender no Empoderamento fortalece os Direitos Civis e os Direitos Sociais e tem um impacto direto na melhoria das competências pessoais e sociais das cidadãs e dos cidadãos.

Empoderar as Pessoas. Em Casa. Na Escola. No Trabalho.

Empoderar em termos individuais. Empoderar em termos coletivos.

Empoderar através das Políticas Educativas[vi]. Empoderar através das Políticas Laborais[vii].

Importa enfatizar que, nas Sociedades Modernas, o lugar cimeiro dado à permanente capacitação do capital humano é comum nas diferentes áreas. Desde a Educação, ao Desporto, passando pela Gestão e pela Saúde.

Empreender no Empoderamento, para além da inovação que comporta o conceito, obriga-nos também a repensar os nossos comportamentos, para que todos percebamos que chegaremos ao Índice desejável de Desenvolvimento Humano[viii], quando conseguirmos gerir com excelência as soft e as hard skills e aplicar as nossas competências empreendedoras no domínio do empoderamento.

[i]In:  http://www.oxfordreference.com/view/10.1093/oi/authority.20110803095920725
Are competencies that employees possess such as numeracy, literacy, fluency in a foreign language, and specific job-related technical abilities (operating a machine, creating a spreadsheet, touch-typing, driving, dressing a wound, and so forth). Typically, these skills are relatively easy to measure, and are often validated with some form of qualification. More recently, there has been a shift in emphasis towards the need for soft skills in addition to technical abilities. [See competency and training.] [ii] Inhttp://dictionary.cambridge.org/pt/dicionario/ingles/soft-skills
soft skills. noun [plural]UK US . WORKPLACE, HR people’s abilities to communicate with each other and work well together:
We are focusing on soft skills such as team building and communications. Soft skills and appearance are becoming more important in companies’ recruitment decisions.
[iii] In: https://www.priberam.pt/dlpo/empoderamento
em·po·de·ra·men·to. (empoderar + -mento). substantivo masculino. Ato ou efeito de dar ou adquirir poder ou mais poder. em·po·de·rar – Conjugar (em- + poder + -ar). verbo transitivo e pronominal. Dar ou adquirir poder ou mais poder.
[iv] In: https://www.merriam-webster.com/dictionary/empower
Definition of empower. transitive verb. 1: to give official authority or legal power to empowered her attorney to act on her behalf. 2: enable 1a. 3: to promote the self-actualization or influence of women’s movement has been inspiring and empowering women — Ron Hansen
empowermentplay \im-ˈpau̇(-ə)r-mənt\ noun
[v] No Brasil este conceito já é utilizado há mais anos e de forma mais ampla.
[vi] A este propósito, veja-se o Projeto Piloto da Autonomia e Flexibilidade que está a ser levado a cabo em cinquenta escolas públicas e privadas em Portugal, por iniciativa do Governo Português – Secretário de Estado da Educação.
[vii] A este propósito, veja-se o momento histórico que foi vivido no mundo laboral em Portugal com a assinatura do recente Contrato Coletivo de Trabalho assinado entre a CNEF – Confederação Nacional de Educação e Formação e a FNE e a Frente Sindical da UGT.
[viii] http://hdr.undp.org/en/2016-report

veja em link to leaders

 Prof. Dra. Teresa Damásio | Administradora Delegada do Grupo Ensinus

3ª Fase | Ler mais…

3ª Fase | Ler mais…

CANDIDATURAS DE:
CTESP > LICENCIATURA

CANDIDATURAS DE:
LICENCIATURA > MESTRADO

ISENÇÃO DO PAGAMENTO DA CANDIDATURA
+ 50% DE DESCONTO NO PAGAMENTO DA MATRÍCULA/INSCRIÇÃO
+ 2,5% DE DESCONTO NA PROPINA

CANDIDATURAS ATÉ:
08 DE SETEMBRO DE 2017

MATRÍCULAS/INSCRIÇÕES ATÉ:
22 DE SETEMBRO DE 2017

 

Página 1 de 4212345...102030...Última »
Divi WordPress Theme