Expectativas racionais?

17 de Abril, 2017

A universidade ensina a questionar. O seu papel nunca foi tão importante como na conjuntura atual do mundo, repleta de grandes interrogações e incertezas.

Além das grandes questões filosóficas que se levantam sobre os modelos sociais ocidentais e sua sustentabilidade, a globalização veio reformular os padrões económicos clássicos. Além disso, sobressaem problemas de segurança, não só derivados do terrorismo, mas de novas tensões geopolíticas, como no Médio Oriente, entre sírios, russos e americanos, ou na Coreia do Norte, entre americanos, coreanos e chineses. Novos e velhos radicalismos políticos e religiosos emergem.

Em especial no caso português, questiono as razões que levam a tanta euforia económica, o crescente recurso ao crédito ou o elevadíssimo índice de confiança dos consumidores, que segundo a Nielsen atingiu recentemente o valor mais elevado de sempre, 74 pontos. Já não me refiro às grandes interrogações internacionais, mas em especial à verdadeira realidade nacional, em que o problema da banca está longe de estar resolvido, em que a dívida pública continua a crescer e a bater recordes, ultrapassando os 133% do PIB, o desemprego e a precariedade não recuam, e muita instabilidade ao nível da construção europeia.

Ainda assim, o Gabinete de Estudos do Fórum para a Competitividade estima que a economia nacional possa crescer 2% em 2017, apesar da sua desaceleração progressiva ao longo do ano.

Na economia comportamental ou na nova economia clássica, o conceito de expectativas racionais (Muth, 1961) tem por base a hipótese de que os agentes utilizam a informação disponível relativamente ao comportamento e previsões da economia, antecipando de forma racional as atitudes e as políticas futuras do governo (Lucas e Rapping, 1969), reagindo no presente em consonância com as expectativas formadas pautando os seus comportamentos de consumo, investimento e poupança, por essas “guidelines”.

Muitas vezes as flutuações de preços ou os índices de crescimento acontecem devido a alterações de expectativas e estímulos e não por factos concretos. A grande questão será interpretar os indicadores e saber filtrar informação individualmente (microeconomia) e não como um todo, como funcionam os agentes económicos, considerando o seu agregado (macroeconomia).

Há razões que a Razão desconhece. Não restam dúvidas de que vivemos tempos muito curiosos. Questionemo-nos.

 

Director do ISG – Business& Economics School

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

Outras Notícias

ISG marca presença na Unlimited Future

Estamos na Unlimited Future!O Instituto Superior de Gestão marca, hoje, presença na maior Feira de Mestrados e Pós-graduações do país, a Unlimited Future onde poderás encontrar toda a nossa oferta educativa e desenhar o teu percurso académico. Vem brindar connosco ao...

Apresentação da App Hire Me

Aconteceu, hoje, no Instituto Superior de Gestão, a apresentação da App Hire Me. Um projeto jovem e inovador, no âmbito dos Recursos Humanos, que pretende quebrar o antiquado modelo de recrutamento, dando destaque à pessoa em si e às suas expectativas e desejos...

ISG promove curso para a Administração Pública

O ISG-Instituto Superior de Gestão concluiu no passado mês de Dezembro mais uma formação junto da Administração Pública.Na foto, encontram-se os vários participantes que concluíram o curso do IFAP-Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas , assim como o...

Programa INSPIRING

No âmbito do Programa INSPIRING, hoje estamos na Escola Secundária da Ramada a promover as Licenciaturas do ISG.Gestão, Economia, e Gestão de Recursos Humanos

Jornadas ORSIES

Jornadas ORSIES, uma iniciativa do Observatório da Responsabilidade Social e Instituições de Ensino Superior (ORSIES) e da Forum Estudante, que decorre hoje dia 20 de janeiro de 2020, entre as 10h e as 16h, no Salão Nobre da Escola Superior de Educação de Lisboa, no...

Fazer e Refazer – A génese do empreendedorismo

A mim anima-me sempre a perspetiva de poder empreender do ponto de vista profissional, institucional e pessoal, que apesar de parecer concetualmente díspar, pois abarca na sua génese três facetas diversas da minha vida, é na realidade impulsionada pela mesma vontade...

×

Bem-vindo(a)!

Contacte-nos pelo WhatsApp

× 969844241