Select Page

Empreender na cooperação

10 de Maio, 2018

Nos últimos tempos tenho sido testemunha da mudança que está a ocorrer na política externa portuguesa, através, entre outras medidas, da profunda alteração que tem vindo a ser introduzida nas nossas embaixadas.

Durante muitos anos, tantos que lhes perdi a conta, quando visitava um país, no âmbito das minhas funções profissionais, tinha o hábito de solicitar uma audiência ao nosso embaixador para lhe dar nota do propósito da visita e dos objetivos que me tinham levado até aquele destino.

Depois de muitas más experiências confesso que perdi esse costume, o que me causava sempre tristeza pois considerava que enquanto cidadã e profissional a representar o meu país, visitar a minha embaixada deveria fazer parte da minha rotina. Cedo percebi que os nossos embaixadores e restante corpo diplomático, salvo raríssimas exceções, não tinham entendido a importância que a sua presença e os seus inputs poderiam ter na vida das empresas e daqueles nacionais que, longe de casa, tentam buscar algum conselho e sábias sugestões.

As embaixadas portuguesas eram espaços nobres utilizados em exclusivo para a útil representação do Estado nos termos do arquétipo existente à época.

Ao longo dos últimos tempos, tenho constatado, de forma direta, que a arte de empreender chegou aos nossos diplomatas e que a cooperação começou a ser trabalhada na primeira e na segunda pessoa do plural. Deixou de ser um exercício solitário. Como por magia, nas nossas embaixadas empreender passou a fazer parte integrante do léxico diário.

O desígnio nacional de nos tornar a todos representantes de Portugal ganha agora mais significado quando percebemos que empreender na cooperação é mais fácil porque o dinamismo, a ambição, a energia de fazer mais e melhor tomou conta da ação de todas e de todos.

Para empreender é preciso querer fazer diferente e deixar a pegada de se ter inovado, seja de paradigma ou de rumo.

Cooperar é ir ao encontro do outro e isso implica sempre movimento em direção a outro destino, a outra cultura.

Poderemos pensar que a praxis da diplomacia económica foi o motor desta mudança. Quero acreditar que não e que tal se deveu ao facto de quem manda na nossa política externa ter percebido que empreender na cooperação é a simbiose perfeita para dar uma nova orientação ao ímpeto nacional existente em torno do elogio à diversidade.

 

Artigo publicado a 10/05/2018 em Link to Leaders

Outras Notícias

O líder coach é um líder de muita proximidade e com foco nas pessoas

“Com a intervenção do coaching executivo nas empresas, temos observado um maior desenvolvimento das pessoas e, em particular, das que exercem funções de liderança”, afirma Brígida Batista, coordenadora científica da Pós-Graduação em Coaching Executivo e Liderança de...

Liderar a carreira – um desejo ou uma necessidade?

Tradicionalmente, a carreira significava uma sequência de posições que uma pessoa desenvolvia vinculada às organizações (Dutra, 1992). As empresas elaboravam um plano de carreira para preparar os colaboradores a ocuparem cargos superiores na hierarquia. Nas novas...

Criar Saberes 2022/2023 na E.S. Santa Maria de Sintra

O projeto Criar Saberes 2022/2023 continua a viajar pelas escolas portuguesas! Na passada sexta-feira, dia 20 de janeiro, os estudantes da Escola Secundária Santa Maria de Sintra tiveram a oportunidade de acompanhar a palestra do Professor Doutor João Caldeira Heitor,...

Open Day 2023 na Mais Educativa

O Open Day ISG 2023 está quase aí à porta e não podes perder a oportunidade de conhecer a primeira Business School, em Portugal! A Mais Educativa é novamente Media Partner do nosso Dia Aberto e está empenhada em promover o projeto. Pode ler a notícia na integra...

ISG e Júpiter Hotel Group assinam protocolo de colaboração

O Instituto Superior de Gestão e o Júpiter Hotel Group assinaram um protocolo de colaboração que visa a gestão do capital académico em estreita articulação com a gestão do capital humano desta unidade de excelência, prestígio e qualidade na hotelaria nacional. No...

Candidaturas abertas para Bolsa Fulbright com o apoio da FLAD

É estudante de mestrado em Portugal e gostaria de realizar um período de investigação académica nos Estados Unidos da América? As candidaturas à Bolsa Fulbright para Investigação com o apoio da FLAD continuam abertas até ao próximo dia 31 de janeiro 2023, para o ano...

×

Bem-vindo(a)!

Contacte-nos pelo WhatsApp

× 969844241