Select Page

Segurança Jurídica

4 de Março, 2019

Vimos em trabalho anterior que o Direito amplamente designado tem três finalidades principais, as quais tenta prosseguir com a integralidade dos instrumentos que possui, designadamente possibilitar o que é justo a cada um, fazer respeitar a dignidade do ser humano e permitir a denominada segurança jurídica.

Vamos neste artigo debruçarmo-nos um pouco mais sobre a última finalidade e perceber em concreto o seu significado. Nestes termos, a Segurança Jurídica dispõe de várias subdivisões caracterizando-se essencialmente por três, nomeadamente o “Estado de Ordem e Paz”, a “Certeza Jurídica” e a “Protecção dos Cidadãos perante o Estado”.

A norma jurídica pretende disciplinar as relações nos grupos sociais e a resolução dos conflitos que entretanto surjam (fundamentos do direito). Para que tal aconteça é necessário existirem regras de conduta obrigatórias e com caráter vinculativo (coercibilidade), bem como autoridades públicas que as criem e apliquem (o poder de “jus imperium”).

De outro modo não é possível viver-se socialmente, dada a discricionariedade provocada pela lei natural do mais forte, onde só prevalece a sobrevivência e o uso da força (aquela que numa sociedade civilizada só deve ser utilizada subsidiariamente, em última instância, gozaria aqui de âmbito primário).

O Direito é assim primordial para se viver pacificamente, com estabilidade, onde os direitos são respeitados e os deveres cumpridos (Estado de Ordem e Paz). Caso as obrigações não sejam acatadas, o violador deverá será penalizado, sofrendo por isso uma sanção (consequência pela não obediência à correspondente estatuição da norma jurídica mediante certa previsão).

No entanto o homem é um ente livre, que deve poder optar pelos atos que lhe proporcionem maior felicidade só sendo justo ser condenado por algo, se souber que este é prejudicial ilicitamente a um seu semelhante e que a sua prática não é correta e portanto, alvo de punição, bem como qual é a respectiva consequência adjacente pelo seu incumprimento legal (Certeza Jurídica).

Se não fosse desta forma não nos encontraríamos num Estado de Direito de cariz democrático e voltaríamos à lei do mais forte referida anteriormente, onde se manuseariam os factos e punições conforme fosse mais adequado por razões politicas, morais ou até rancorosas e lúdicas (como era aliás rotina em épocas já distantes e infelizmente ainda frequente presentemente em certas regiões).

Os atropelos podem pois provir tanto de particulares, em busca de desejos que não podem usufruir (o nosso direito termina quando atinge o direito do outro) como da própria autoridade pública designada para nos regular. É portanto prioritário limitar o seu exercício (Protecção dos Cidadãos perante o Estado) não se podendo, como por vezes ademais acontece, com fundamentos às vezes irrelevantes ou falsos, diminuir arbitrariamente as garantias que se dispõe relativamente a esta salvaguarda.

Garantias estas que se encontram desde logo preceituadas no nº 2 do art. 266º da nossa Lei Fundamental (“no respeito pelos direitos e interesses protegidos dos cidadãos”) e desenvolvidas no art. 268º da mesma Lei (“direitos e garantias dos administrados”).

Quantas vezes não assistimos por exemplo, a imagens chocantes de polícias ou militares a abusarem indiscriminadamente de inocentes e a provocarem-lhes inclusivamente a morte (quando o principio mais importante é precisamente o direito à vida)? Aliás, existe um princípio prevalente nos ramos de direito público, o da legalidade, estatuindo que o Estado só pode atuar consoante o estipulado legislativamente, ao contrário do privado, onde tudo é permitido, desde que em consonância com a lei (nos termos do princípio da autonomia da vontade).

Veja-se dessarte que só com a observância cumulativa dos pressupostos acima enumerados e explicitados é possível viver em efetiva segurança e sem sobressaltos, utilizando-se por inteiro a indispensável liberdade subjacente a um ser humano pleno, em consonância com uma Ordem jurídica justa e respeitadora dos direitos humanos numa propagação perfeita da tríade jurídica (as três finalidades do direito supra enunciadas).

Miguel Furtado
Docente do ISG

Outras Notícias

Projeto Criar Saberes – Escola Secundária José Afonso

O Instituto Superior de Gestão esteve, esta segunda-feira, dia 29 de novembro, na Escola Secundária José Afonso, no âmbito do projeto Criar Saberes, com o Professor Doutor José Lopes Costa, Provedor do Aluno e Docente do ISG. Os alunos e as alunas do 12º Ano de...

ISG nos Açores com o Projeto País do Inspiring Future

O ISG - Instituto Superior de Gestão, continua a viajar pelo país com a campanha de comunicação das licenciaturas.Na próxima semana, vamos estar nos Açores! Em parceria com a Inspiring Future, em formato de RoadShow, vamos dar-te a conhecer a mais antiga Business...

O Direito do Trabalho e a Igualdade de Oportunidades

O Direito do Trabalho ocupa invariavelmente a agenda mediática. Estamos habituados a ouvir falar deste ramo do Direito Privado como centro da vida portuguesa por um vasto conjunto de razões. A mais importante delas é a que se prende com a Igualdade de Oportunidades e...

Diretor do ISG no programa Sociedade Civil

O Diretor do Instituto Superior de Gestão, Professor Doutor Miguel Varela irá estar presente no programa Sociedade Civil, na próxima terça-feira, dia 30 de novembro, para uma entrevista sobre a Formação de Executivos. Não perca a entrevista do nosso Diretor, às 14h00...

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO PORTUGUÊS PARA A GUINÉ-BISSAU

Acontece no dia 2 de dezembro às 16 horas, a Conferência subordinada ao Tema “OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO PORTUGUÊS PARA A GUINÉ-BISSAU”. Evento da iniciativa do ISG – Instituto Superior de Gestão e do Jornal Vida Económica, terá lugar no Auditório do ISG em Lisboa,...

Reunião do Conselho Geral do Instituto Superior de Gestão

Realizou-se ontem, dia 23 de novembro, o Conselho Geral do Instituto Superior de Gestão. Um momento de partilha e reflexão, de estreitamento de relações e sinergias dos vários interlocutores, com vista a uma maior consolidação do Projeto Pedagógico e de distinto...

×

Bem-vindo(a)!

Contacte-nos pelo WhatsApp

× 969844241