Regenerar a cidadania

13 de Março, 2020

Sustentada no exercício do poder executivo, do poder legislativo e do poder judicial, a sociedade procura a autorregulação de braço dado com o desenvolvimento económico (público e privado).
Assentes nos princípios morais e éticos que ultrapassam a letra das palavras e se concretizam em atos espontâneos e sinceros, assistimos à elevação da virtude (individual e coletiva) e à construção de uma sociedade mais justa.
Respeitando a lei particular e a lei geral, importa assegurar as diferenças daqueles que parecem semelhantes. A diversidade de pensamento é uma das maiores riquezas dos princípios. Ela constitui-se como uma armadura que resiste aos preconceitos e que assegura a igualdade de oportunidades.
A dialética social tem enfrentado críticas e evidenciado falhas no exercício do poder político, legislativo e judicial. Ainda que a cadeia de ligações esteja em constante aperfeiçoamento, só quando atenta ao pormenor podemos conquistar o coletivo. Descurar pormenores e detalhes é fragilizar princípios, é castrar oportunidades, é recusar a diferença, é condenar estratégias e políticas.
Acreditando que não existem donos da democracia e sem discorrer filosoficamente sobre os seus fundamentos, a utópica atribuição de exercício dos direitos políticos a todos os Homens poderia constituir-se no desiderato global.
Nas redes sociais, nas conversas de café, a crítica e o apontar de dedo tem como destinatários aqueles que ousam participar na gestão da “coisa pública”. Quais juízes ou comentadores televisivos. Eles são especialistas e detentores de conhecimento e opinião nas mais diversas áreas… Porém, se lhes propusermos participarem na construção de uma alternativa ao “sistema instituído”, se os desafiarmos à reflexão, à auscultação, a recetividade é nula.
Todos nascemos a chorar. Crescemos com mais ou menos alegria, com mais ou menos recursos. Adquirimos conhecimento com mais ou menos oportunidades, com mais ou menos dedicação. Aprendemos a ouvir com mais ou menos paciência, com mais ou menos interesse em conhecer o outro. Somos o que somos. Mesmo vivendo numa época em que a informação está disponível para a esmagadora maioria da população, a maior ignorância não advém da dúvida. A maior ignorância resulta da incapacidade de cada um de nós querer “fazer diferente”.
Regenerar a cidadania é um imperativo para todos aqueles que estão disponíveis para olhar para as partes, compreender as causas e avaliar os resultados. Devolver ao Homem a confiança no seu valor, responsabilizá-lo pelos seus deveres (individuais e coletivos), mostrar-lhe a importância do conhecimento, a relevância do respeito e a pureza da felicidade.
Sei que este imperativo não é passível de ser aprovado numa qualquer start-up, de ser transformado numa qualquer aplicação para smartphone, de ser transposto para uma qualquer música que invada o Youtube ou de ser incluído num programa político. Mas acredito que ele esteja direta e indiretamente presente nas ações de muitas pessoas que querem e fazem a diferença neste mundo tão “umbilical”…
João Caldeira Heitor é licenciado em Português/Inglês pelo Instituto Jean Piaget, tem um doutoramento em Turismo pela Universidade de Lisboa, é mestre em Educação e Administração Escolar pela Universidade de Évora e pós-graduado em Gestão de Bibliotecas Escolares, pelo Instituto Superior de Línguas Aplicadas.
Paralelamente é investigador colaborador do Centro de Investigação, Desenvolvimento e Inovação em Turismo (CiTUR Leiria). Além das diversas publicações efetuadas também é orador em vários congressos nacionais e internacionais. Ao longo do seu percurso profissional desenvolveu atividades de docência em diversas instituições de ensino superior. Atualmente é o secretário-geral do Instituto Superior de Gestão (ISG).

Professor Doutor João Caldeira Heitor, secretário-geral do ISG para o Link to Leaders

Outras Notícias

Palavra do dia: Otimismo

Nem tudo o que luz é ouro: a importância do otimismo paradoxal. Otimismo encontra-se fortemente associado a uma visão positiva da vida, mesmo em situações adversas, porque os eventos negativos são encarados como algo passageiro que pode ser ultrapassado. As pessoas...

A necessidade aguça o engenho… (a covid-19 e a educação)

Hoje, dia 3 de abril, recomendamos a leitura do novo Artigo do Diretor do ISG, Professor Doutor Miguel Varela, no Jornal de Negócios. Boas leituras! A Necessidade Aguça o Engenho… (a COVID-19 e a Educação) Os professores do ensino superior representam hoje uma classe...

“NÃO É NÃO!”

CASA CHEIA NO ISG. Hoje decorreu a conferência “Não é Não!” .Neste sentido, e assinalando-se a 8 de março o Dia Internacional da Mulher, é com o maior orgulho que o ISG se juntou ao movimento "NÃO É NÃO!", com a presença da Dra. Rejane Lima, Coordenadora Pedagógica do...

CONFERÊNCIA: “NÃO É NÃO! DIGA NÃO AO ASSÉDIO”

A mensagem “Não é Não!” é simples, objetiva e direta, mas, no entanto, muito necessária.Neste sentido, e assinalando-se a 8 de março o Dia Internacional da Mulher, é com o maior orgulho que o ISG se junta ao movimento "NÃO É NÃO!", com o qual promoveremos 1...

AÇÃO DE FORMAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO MENDES PINTO

No próximo dia 18 de março, no período entre as 14h00 e as 16h00 a Professora Doutora Rosa Rodrigues, Docente do ISG irá ministrar uma Ação de Formação para 30 Professores da Escola Secundária Fernão Mendes Pinto, relativa ao tema:  CAPITAL PSICOLÓGICO POSITIVO – BE...

CONTRATO-PROMESSA

O parâmetro mais relevante do âmbito jurídico de índole democrática é a liberdade dos membros que integram a coletividade onde estas mesmas disposições normativas são aplicáveis. Liberdade esta que se estatui em várias ramificações, tanto públicas como privadas e que...

×

Bem-vindo(a)!

Contacte-nos pelo WhatsApp

× 969844241