Select Page

Como aprendemos a lidar com o abuso de poder? Lições da evolução

27 de Outubro, 2020

As formas e mecanismos utilizados para lidar com o abuso do exercício do poder por parte dos líderes é um fenómeno importante no quadro da liderança mas que, curiosamente, tem sido pouco estudado. Falamos daquilo que os liderados podem fazer (e têm feito) para prevenir ou ultrapassar o abuso do poder pelos líderes.

Para manter e aumentar o poder os líderes são já conhecidos por redistribuir recursos de forma (mais) generosa (como acontece antes das eleições) ou por induzirem ameaças externas ao grupo para consolidar a sua coesão e a sua influência ou, ainda, simplesmente «comprando» apoio dos liderados através de práticas de corrupção, caciquismo e nepotismo.

Com o advento da linguagem e a sua diversificação surgiu ainda outra ferramenta poderosa para aumentar a capacidade de alcançar e manter o poder dos líderes a invenção das ideologias e tudo o que elas significam e permitem através do imprinting cultural e das práticas de doutrinação.

Sabemos que ao longo da história os líderes tanto criaram e usaram religiões para manter o poder como definiram regras de posição hereditária para beneficiar os seus parentes, numa indicação clara de nepotismo que de resto ainda hoje é praticado e consentido quando não mesmo desejado (nomeadamente através das monarquias, por exemplo).

Porém, a evolução humana também se fez acompanhar de, pelo menos, cinco dispositivos de defesa, nivelamento e anti exploração, que foram desenvolvidos pelos liderados para garantirem que fossem também beneficiados pela sua posição de seguidores, evitando assim serem apenas enganados e explorados.

O primeiro mecanismo consiste em limitar ou circunscrever o poder do líder seja no tempo (limitando os mandatos, por exemplo) seja a áreas onde estes provaram as suas capacidades diferenciadas em relação a outros membros do grupo;

O segundo foi a própria linguagem que permitiu aos liderados lançarem «rumores, falatório e mexericos», comentando e ridicularizando os líderes e desta forma mantendo-os sob o foco do escrutínio público.

O terceiro foi a rejeição ou o puro abandono dos líderes. Trata-se de uma arma poderosa para combater uma liderança ineficaz ou perversa porque, em termos evolutivos, o ostracismo teve sempre consequências graves na sobrevivência e reprodução. A ciência diz-nos que o cérebro regista a rejeição como equivalente à dor física.

O quarto mecanismo normalmente decorre do anterior; é a pura e simples recusa da liderança pela desobediência coletiva. É uma potente arma de retaliação face ao abuso do poder e normalmente leva a confrontos, mas a prazo leva inevitavelmente produz a queda do líder.

Finalmente, o quinto mecanismo para ultrapassar o abuso do poder é … o homicídio. Não fique surpreendido. Já nas sociedades ancestrais o indivíduo dominante corria o risco de ser morto e ainda hoje isso acontece o que faz com que alguns exercícios de presidência de alguns Estados sejam cargos arriscados e por isso exigem medidas ostensivas de proteção e segurança que vão das mais aparatosas às mais ridículas.

No fundo, estes mecanismos de nivelamento do poder foram e continuam ainda a ser estratégias adaptativas essenciais para a proteção dos liderados. As evidências históricas sugerem que tiranos e ditadores tenderão sempre a surgir quando os liderados forem incapazes de se protegerem contra esse tipo de pessoas e em particular da «tríade negra» isto é, da combinação dos traços de narcisismo, maquiavelismo e psicopatia, num indivíduo que lidera.

No fundo a evolução continua a ensinar-nos como fazer, e se estes mecanismos continuam ativos é porque os seres humanos sempre abominaram lideranças abusivas. Pode levar mais ou menos tempo, mas os mecanismos continuam a funcionar.

Professor Doutor Paulo Finuras, Docente no ISG, para o LINK TO LEADERS

Outras Notícias

A importância da formação em gestão escolar

Em qualquer profissão, a expressão de maior relevância do momento é atualização contínua e na Educação não é diferente e configura-se na necessidade de formação contínua dos professores. Para todos, nos vários níveis de Liderança Escolar, desde a liderança do Diretor...

ISG e ZERO assinam parceria

Conscientes dos desafios que se colocam aos cidadãos na esfera da preservação do ambiente e na salvaguarda da equidade entre gerações, assente num modelo de desenvolvimento sustentável, o ISG e a Associação ambientalista ZERO celebraram um Protocolo de Cooperação. Uma...

As contribuições extraordinárias e os adicionais em 2022

"As contribuições extraordinárias e os adicionais em 2022" é o nome do mais recente artigo do Coordenador Adjunto da Pós-Graduação em Fiscalidade Avançada, Mestre Nuno Santos Vieira. Pode ler o artigo na coluna Fiscalidade Avançada, do jornal Vida Económica aqui....

Associados da APECOM com 10% de desconto sobre as propinas

Todos os Associados da Associação Portuguesa das Empresas de Conselho em Comunicação e Relações-Públicas têm 10% de desconto sobre as propinas! Não perca a oportunidade de investir na sua formação com as Pós-Graduações em Gestão de Marketing e E-Commerce....

Projeto Inspiring Future – Lisboa, Loures e Póvoa de Santa Iria

O Instituto Superior de Gestão começou 2022 da melhor maneira com a campanha de comunicação das licenciaturas em Lisboa, Loures e Póvoa de Santa Iria. Durante a semana de 10 a 14 de janeiro, estivemos presentes em várias escolas, em parceria com a Inspiring Future,...

Projeto Criar Saberes 2021|2022 – Colégio Santo André

O Projeto Criar Saberes 2021|2022 continua com as escolas do nosso país. Esta segunda-feira, dia 17 de janeiro, os Alunos e Alunas do 12º ano de economia do Colégio Santo André acompanharam a Palestra Institucional, ministrada pela Dra. Alexandra De Brito Caetano,...

×

Bem-vindo(a)!

Contacte-nos pelo WhatsApp

× 969844241