Select Page

Workaholism: quantidade não significa qualidade

19 de Março, 2021

A situação pandémica despoletou novas formas de trabalho que potenciam o desenvolvimento de níveis de workaholism cada vez mais elevados. As longas e consecutivas reuniões realizadas através das plataformas digitais (e.g., zoom, teams) sem tempo de transição são, efetivamente, necessárias quando a urgência é real. Porém, não se justificam para tratar de assuntos que poderiam ser resolvidos em cinco minutos através de uma chamada telefónica.

Fazer videochamadas apenas pela visibilidade não promove uma cultura saudável, não aumenta a produtividade da organização e muito menos melhora a eficiência e a satisfação geral por parte do colaborador. Contudo, assiste-se a um ritmo de vida que frequentemente conduz os trabalhadores a abdicarem do seu tempo de lazer em prol da vida profissional, passando a estar disponíveis 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Este novo cenário despoleta uma preocupação incontrolável e constante com o trabalho, sendo a maior parte da energia e do esforço direcionado para o mesmo, o que leva as pessoas a negligenciarem a sua vida familiar e a saúde física e psicológica.

O workaholism começa a ser considerado o vício dos tempos modernos, devido às inúmeras semelhanças que tem com outros comportamentos de carácter aditivo e compulsivo. Como acontece com outras dependências, os workaholics exibem uma tendência para negar o problema e apresentam frequentemente desculpas que justifiquem o envolvimento excessivo com o trabalho porque não têm controlo sobre a sua conduta.

workaholic apresenta relutância em desconectar-se do trabalho e vivencia emoções negativas quando não está a trabalhar, porque a sua principal fonte de felicidade reside nas tarefas profissionais que realiza. Para agravar a situação é incapaz de delegar tarefas, pois acredita que os outros não conseguem atingir os seus níveis de qualidade.

No entanto, quando se analisa a relação entre o workaholism e os resultados organizacionais, verifica-se que, apesar das longas horas de trabalho, os workaholics não apresentam um desempenho superior ao de outros colaboradores que trabalham menos horas. A energia canalizada não parece produzir efeitos positivos na performance do colaborador, e a tendência para trabalhar compulsivamente tende a colocar em causa a qualidade do próprio trabalho.

Os workaholics nem sempre são trabalhadores produtivos, pois representam um custo adicional para a organização devido à diminuição da sua saúde e bem-estar. Além disso, apresentam regularmente elevados níveis de stress e maior propensão para o desenvolvimento de patologias associadas à saúde mental que, a médio/longo prazo, afetam o seu desempenho, tanto em qualidade como em quantidade.

excessiva dedicação ao trabalho e os sentimentos de culpa e ansiedade que assombram os workaholics quando não estão a trabalhar colocam em causa o equilíbrio entre a vida profissional e a vida privada, porque não existe uma distribuição uniforme do tempo e energia dedicada às várias esferas da sua vida.

Sendo os workaholics pessoas dinâmicas e enérgicas, não se sentem confortáveis com a inatividade, pelo que geralmente inventam tarefas para se manterem ocupadas. Todavia, é importante ter tempo para saborear os momentos de calma e quietude, que estimulem a reflexão e a serenidade, porque ficar quieto não significa ser ocioso.

Professora Doutora Rosa Rodrigues, docente do ISG, para a RH Magazine

Outras Notícias

Open Day Mestrados 2022

Temos as portas abertas para o receber. No dia 16 de março de 2022, o Instituto Superior de Gestão organiza o “Open Day Mestrados”. Venha conhecer ao detalhe toda a nossa oferta formativa avançada e não perca a oportunidade de esclarecer todas as suas dúvidas com os...

Estudantes de Gestão do Turismo recebem Dr. Pedro Tomé

A turma da licenciatura em Gestão do Turismo recebeu na passada sexta-feira, no âmbito da Unidade Curricular de Fundamentos do Turismo, o Dr. Pedro Tomé, CEO e fundador da agência de viagens "Voar Mais Alto Viagens". Os alunos tiveram oportunidade de ouvir, na...

Projeto Criar Saberes – Escola Secundária José Afonso

O Instituto Superior de Gestão esteve, esta segunda-feira, dia 29 de novembro, na Escola Secundária José Afonso, no âmbito do projeto Criar Saberes, com o Professor Doutor José Lopes Costa, Provedor do Aluno e Docente do ISG. Os alunos e as alunas do 12º Ano de...

ISG nos Açores com o Projeto País do Inspiring Future

O ISG - Instituto Superior de Gestão, continua a viajar pelo país com a campanha de comunicação das licenciaturas.Na próxima semana, vamos estar nos Açores! Em parceria com a Inspiring Future, em formato de RoadShow, vamos dar-te a conhecer a mais antiga Business...

O Direito do Trabalho e a Igualdade de Oportunidades

O Direito do Trabalho ocupa invariavelmente a agenda mediática. Estamos habituados a ouvir falar deste ramo do Direito Privado como centro da vida portuguesa por um vasto conjunto de razões. A mais importante delas é a que se prende com a Igualdade de Oportunidades e...

Diretor do ISG no programa Sociedade Civil

O Diretor do Instituto Superior de Gestão, Professor Doutor Miguel Varela irá estar presente no programa Sociedade Civil, na próxima terça-feira, dia 30 de novembro, para uma entrevista sobre a Formação de Executivos. Não perca a entrevista do nosso Diretor, às 14h00...

×

Bem-vindo(a)!

Contacte-nos pelo WhatsApp

× 969844241