Select Page

O Direito do Trabalho e a Igualdade de Oportunidades

29 de Novembro, 2021

O Direito do Trabalho ocupa invariavelmente a agenda mediática. Estamos habituados a ouvir falar deste ramo do Direito Privado como centro da vida portuguesa por um vasto conjunto de razões. A mais importante delas é a que se prende com a Igualdade de Oportunidades e que decorre do Código do Trabalho de 2009 e posteriores alterações em 2015.

Com a introdução da Igualdade de Oportunidades houve, igualmente, a substituição do Direito da Maternidade e da Paternidade pelo regime da Parentalidade e o surgimento dos Direitos de Personalidade tanto na ótica do empregador como o trabalhador. Ou seja, em 2009 ocorreu uma revolução no Direito Laboral português e desde esse momento que o conceito de Igualdade de Oportunidades tem vindo a ganhar cada vez mais relevância técnico jurídica.

Se estávamos habituados a debater esta noção teórica do ponto de vista da sociologia e da economia, desde 2009 que passámos a discuti-lo em termos jurídicos e isso trouxe enormes mais-valias às relações laborais e promoveu o estudo de novos conceitos em termos jurídicos laborais pois já tínhamos em termos constitucionais o artigo 13.º que previa o Princípio da Igualdade, mas não tínhamos em termos laborais.

Esta nova realidade jurídica veio trazer uma nova visão sobre o Direito do Trabalho enquanto ramo do Direito que regula a relação laboral entre trabalhador e empregador os quais passaram a ser regulados como pessoas dotadas de Direitos de Personalidade e, consequentemente, com previsões e estatuições legais que lhes acrescem mais Direitos, Liberdades e Garantias.

Cada vez mais o Direito do Trabalho é assumido como uma garantia de bem-estar para os sujeitos da relação laboral. Boas condições de trabalho promovem retribuições justas e equitativas, bem como níveis de vida estáveis e que visam o crescimento económico e o desenvolvimento sustentável.

Ainda nas ultimas negociações do Orçamento de Estado verificámos que as discussões entre o Governo e os vários partidos da oposição se centraram na agenda laboral e no âmbito da Igualdade de Oportunidades. Isto porque sem um bom Direito do Trabalho não há justiça social.

A introdução deste conceito humanizou ainda mais o Direito do Trabalhou pois introduziu conceitos como a discriminação direta e indireta, o assédio e a proibição deste, bem como medidas de ação positiva que prevê e estatui no Artigo 27.º Medida de Acão positiva “Para os efeitos deste Código, não se considera discriminação a medida legislativa de duração limitada que beneficia certo grupo, desfavorecido em função de factor de discriminação, com o objetivo de garantir o exercício, em condições de igualdade, dos direitos previstos na lei ou corrigir situação de desigualdade que persista na vida social”.

Tudo isto fez com que o Direito do Trabalho português promovesse uma transformação muito positiva nas relações laborais e colocasse o diálogo social e a paz social no centro da agenda laboral.

O Princípio da Igualdade e não descriminação encontrou o seu lugar no ordenamento jurídico laboral nacional e isso trouxe enormes mais valias para a relação laboral quer seja de natureza privada quer seja de natureza coletiva.

Dra. Teresa do Rosário Damásio, Administradora do Grupo Ensinus para a Link to Leaders

Outras Notícias

A importância da formação em gestão escolar

Em qualquer profissão, a expressão de maior relevância do momento é atualização contínua e na Educação não é diferente e configura-se na necessidade de formação contínua dos professores. Para todos, nos vários níveis de Liderança Escolar, desde a liderança do Diretor...

ISG e ZERO assinam parceria

Conscientes dos desafios que se colocam aos cidadãos na esfera da preservação do ambiente e na salvaguarda da equidade entre gerações, assente num modelo de desenvolvimento sustentável, o ISG e a Associação ambientalista ZERO celebraram um Protocolo de Cooperação. Uma...

As contribuições extraordinárias e os adicionais em 2022

"As contribuições extraordinárias e os adicionais em 2022" é o nome do mais recente artigo do Coordenador Adjunto da Pós-Graduação em Fiscalidade Avançada, Mestre Nuno Santos Vieira. Pode ler o artigo na coluna Fiscalidade Avançada, do jornal Vida Económica aqui....

Associados da APECOM com 10% de desconto sobre as propinas

Todos os Associados da Associação Portuguesa das Empresas de Conselho em Comunicação e Relações-Públicas têm 10% de desconto sobre as propinas! Não perca a oportunidade de investir na sua formação com as Pós-Graduações em Gestão de Marketing e E-Commerce....

Projeto Inspiring Future – Lisboa, Loures e Póvoa de Santa Iria

O Instituto Superior de Gestão começou 2022 da melhor maneira com a campanha de comunicação das licenciaturas em Lisboa, Loures e Póvoa de Santa Iria. Durante a semana de 10 a 14 de janeiro, estivemos presentes em várias escolas, em parceria com a Inspiring Future,...

Projeto Criar Saberes 2021|2022 – Colégio Santo André

O Projeto Criar Saberes 2021|2022 continua com as escolas do nosso país. Esta segunda-feira, dia 17 de janeiro, os Alunos e Alunas do 12º ano de economia do Colégio Santo André acompanharam a Palestra Institucional, ministrada pela Dra. Alexandra De Brito Caetano,...

×

Bem-vindo(a)!

Contacte-nos pelo WhatsApp

× 969844241