Select Page

Ensino superior: a sustentabilidade passa pela educação de qualidade?

19 de Janeiro, 2022

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas é constituída por 17 ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) e foi aprovada em setembro de 2015. Estes ODS definem prioridades mundiais em áreas como “Pessoas”, “Planeta”, “Prosperidade”, “Paz” e “Parcerias” e constituem uma oportunidade para as instituições melhorarem as suas ações e projetos estratégicos.

É inegável que as instituições de ensino superior podem, e devem, implementar boas práticas ao nível da sustentabilidade, correspondendo, sempre que possível, para os objetivos estabelecidos pela ONU.

Neste sentido, é legítimo considerar o papel da educação como “pedra angular” para a mudança, para novos desafios, como um estímulo para a transformação da educação que promove o desenvolvimento económico, social e ambiental. Esta transformação, habilita os alunos para a tomada de decisões cada vez mais conscientes, mais responsáveis e que interpretam, e refletem sobre as ações e como estas se espelham na sociedade e que impactos provocam, assim como nas atuais gerações e nas vindouras.

Desta forma, as instituições de ensino superior devem elaborar planos curriculares que integrem ações relacionadas com a sustentabilidade, sobretudo se pensarmos numa questão de qualidade. Na verdade, a qualidade no ensino superior não poderá ser medida, apenas, pela produção científica do seu corpo docente, mas também pelas competências-chave adquiridas pelos seus alunos e que contribuem para a sustentabilidade. As competências-chave compreendem as competências transversais e não substituem as competências específicas, tão necessárias para a concretização das ações definidas.

A Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) é uma educação que integra nos seus planos curriculares os modelos de inovação pedagógica centrados nos alunos, na aprendizagem orientada para a ação, na participação e colaboração de soluções para cada problema. Uma aprendizagem transformadora é aquela que “obriga” a ter um pensamento crítico, um pensamento que conduza à reflexão e a discussões, baseada em projetos de aprendizagem reais, assentes em estudos de caso, em simulações objetivas, em cenários de previsão, entre outros.

Nesse sentido, também é importante o relacionamento que se estabelece com os diversos stakeholders, nomeadamente no mundo empresarial. Este assume-se como um fator diferenciador que é, percecionado como qualidade. Assim, pode a integração de ações sustentáveis nas políticas diárias ser vista como qualidade pelos stakeholders?

Cada vez mais as pessoas querem fazer parte da mudança do mundo em que vivem e contribuírem, de alguma forma, para a sua melhoria. Nesse sentido, se as instituições de ensino superior conseguirem envolver os diversos stakeholders na elaboração de ações sustentáveis, comunicando de forma assertiva os resultados das mesmas, todos sairão a ganhar. E não são necessários grandes atos para que a IES (Instituição de Ensino Superior) seja vista como uma entidade que se preocupa e que contribua, efetivamente, com a sociedade na qual se insere. Muitas vezes, são pequenas ações nas quais a IES se envolve ou para as quais coopera, que influenciam os diversos stakeholders a percecionarem a mesma como uma entidade de qualidade, promovendo o objetivo principal que é aprender novas estratégias, boas práticas promotoras de EDS e com tecnologias mais eficientes.

Respondendo à questão inicial: “a sustentabilidade passa pela educação de qualidade?” concluímos que sim até porque a UNESCO (2015) refere que “A educação pode e deve contribuir para uma nova visão de desenvolvimento global sustentável“.

Professora Doutora Mariana Marques, Docente do ISG e Eng.ª Ana Maia, Gestora de Qualidade do ISG e Coordenadora da Pós-Graduação em Sistemas Integrados de Gestão: (Qualidade, Ambiente e Segurança) e Auditoria, para o Link to Leaders

Outras Notícias

Termina participação na FORGES

A participação da Delegação do Grupo Ensinus na 12ª Conferência da FORGES chegou ao fim. O Grupo Ensinus parabeniza a FORGES por toda a organização da conferência em Cabo Verde.

ISG e Grupo Dom Pedro Hotels & Golf Collection

O Instituto Superior de Gestão e o Grupo Dom Pedro Hotels & Golf Collection celebraram um protocolo de colaboração de estágios, no âmbito da aproximação entre a oferta formativa, a produção de conhecimento e a inovação no processo de ensino aprendizagem, com...

Último dia da 12ª Conferência FORGES

Neste último dia da 12.ª Conferência FORGES, na Universidade de Cabo Verde, os trabalhos da Delegação do Grupo Ensinus continuam. Após a sessão paralela que encerra as apresentações de comunicações segue-se a Conferência de Encerramento subordinada ao tema UM ENSINO...

Dr. Martilene dos Santos apresenta tema na 12ª Conferência FORGES

Esta tarde, foi a vez do Senhor Administrador Delegado do Grupo Ensinus para a Guiné-Bissau e Cabo Verde, Dr. Martilene dos Santos proferir a sua apresentação subordinada ao tema: “Desafios do Ensino Superior em África - A sustentabilidade do Ensino Superior na...

Dra. Teresa Damásio apresenta tema na 12ª Conferência da FORGES

A Senhora Administradora do Grupo Ensinus, Dra. Teresa do Rosário Damásio, proferiu ontem a sua apresentação subordinada ao tema: “Gestão, Liderança e Qualidade no Ensino Superior - Avaliação Comparativa de Políticas de Avaliação do Ensino Superior na Lusofonia”, na...

×

Bem-vindo(a)!

Contacte-nos pelo WhatsApp

× 969844241